Arquivo da tag: suspense

Menina Má, de William March

Eu ando numa vibe de ler livros sobre psicopatas que só Jeová na causa…

Menina Má foi um dos últimos que li em 2016. A história me interessou porque algum passarinho psico cantou a bola que tinha uma pitada de PRE-RI-GO misturada com criança encapetada e isso foi motivo o suficiente para eu abrir o deserto que é a minha carteira. Então comprei.

Menina Má - William March

Sinopse

Rhoda Penmark é uma garotinha linda de 8 anos com uma personalidade forte. Inteligente, simpática, obediente e muito mais esperta que outras crianças de sua idade, ela é admirada por adultos e evitada por outras crianças. Depois de perceber a indiferença de Rhoda pela morte de um colega de escola, sua mãe Christine passa a avaliar vários eventos ao longo da vida da filha, tentando entender porque a menina não faz amigos de sua idade. A partir daí, as memórias fragmentadas que Christine tem de sua infância começam a fazer sentido.

Bad Seed, no original, foi lançado em 1954. A edição que comprei saiu em 2016 e é da Darkside Books, também conhecida como A Editora que me levará à falência completa.

Na primeira cena, Rhoda está indo para um piquenique de sua nova escola na casa de verão de suas professoras. O pai da menina está viajando a trabalho e a mãe está se adaptando à vida na nova vizinhança. Há uma vizinha super simpática, um zelador mal encarado, uma vida rotineira de dona de casa e uma curiosidade desconcertante de uma mãe, Christine, que não entende muito bem sua filha.

O livro começa lento, muito lento, mas quando finalmente engata, prende o leitor. Ele não é bem um mistério: logo de cara você entende o que está acontecendo. O narrador é omnisciente e mostra para você o que se passa na cabeça de cada um dos personagens. Mas os personagens não sabem de tudo o que acontece ao seu redor e essa é a grande jogada desse livro.

O que atrai o leitor e o segura até a última página é o desenrolar dos acontecimentos e como cada personagem reage a eles. Ver a mãe de Rhoda aprendendo pouco a pouco sobre a filha e chegando lentamente às conclusões que vão explicar tudo causa uma ansiedade enorme. Te faz torcer por ela, sabe como é?

As reações e comportamentos de personagens secundários também causam emoção, geralmente tensão, pois a história parece estar a ponto de se revelar em vários momentos, mas tem várias reviravoltas que empurram o enredo por mais alguns capítulos. Todos os personagens são bem desenvolvidos, parecem gente de verdade, e você consegue se colocar no lugar deles e “sentir” os acontecimentos. Muitas vezes me peguei imaginando como reagiria em cada situação.

É uma leitura leve, mas ainda assim complexa.

Apresentação Física

A edição da Darkside, como a maioria de seus livros (encontrei uma exceção triste, mas fica para outro post), é capa dura e #lindademorrer! Além da montagem com o rosto rasgado da boneca (foto acima), a contracapa e o interior são trabalhados também, com objetos e cenas que remontam à história. O projeto gráfico é muito bonito mesmo!

Tradução e revisão fizeram seu trabalho: texto bem escrito e sem erros (pelo menos não estou me lembrando de nenhum agora). Num mercado em que editoras grandes não sabem sequer conjugar um verbo, é de se admirar que a Darkside tenha lançado um trabalho decente.

Menção desonrosa para a pessoa infeliz (cujo nome prefiro não citar) que escreveu a introdução do livro. É o tipo de texto dispensável que tenta apresentar o livro, mas acaba mandando um spoiler do final logo de cara. Fiquem avisados: não leiam a introdução antes de ler o livro!  Fico imaginando que tipo de bagulho essa gente consome para fazer uma cagada dessa. Parece que ficou com ciúme do autor e tentou estragar a experiência do leitor só de pirraça. Credo!

Onde comprar

Eu comprei o meu no Submarino junto com outros produtos (e no final ficou mais barato), mas também tem na Saraiva. Comprando a partir desses links, você gera comissão para blog sem pagar nada mais por isso.

VAMPIROS, VAMPIROS, VAMPIROS

Ebaaa!

Como já citei anteriormente, atóron filmes com o Tom Cruise.  Além disso, adoro filmes de terror/suspense. Aí você junta os dois e tem o que?  Entrevista com o Vampiro!!!

Foi com esse filme que o Tom Cruise provou pra mim que ele sabe atuar. Porque em todo filme ele era o bonitão numa moto ou pulando de um avião, pegando as mina toda. Ou seja, sabia interpretar só um tipo de personagem. Mas nesse filme ele interpreta Lestat, um vampiro muito foda! E muito mau.

O filme começa com Louis, personagem de Brad Pitt, dando uma entrevista para um jornalista. Ele conta que é vampiro que foi transformado por Lestat e o porquê. Aí o filme quase todo é ele contando a história da vida após a morte (a vida como vampiro). Lestat é o melhooooorrr do filme,  e não digo isso SÓ porque amo o Tom Cruise. Ele realmente atuou muito bem na minha opinião.

Além de Tom Cruise e Brad Pitt *Babem meninas*, temos Antonio Banderas, que algumas pessoas consideram charmoso também (não eu rsrsrs).
[Comentário da Ali: Eu curto o Antonio Banderas. Ele era “O” amante latino nessa época.]

Não é terror, é mais suspense mesmo. Acreditem, assisti o filme com 2 das pessoas mais medrosas que conheço e uma delas gritou só uma vez.  A outra nem gritou! Então se você tem medo de filme de terror,  pode assistir!

Aproveito e enfio um pouco de playlist no post errado: Tem a música Sympathy for the Devil, versão do Guns (originalmente ela é dos Rolling Stones, mas eles que me perdoem, a versão do Guns é melhor :D). Além dessa, tem música clássica! Não posso deixar de mencionar essa sonata do Haydn, porque sou aluna de piano. Deve ser contra a lei não reparar numa música tão linda! O Lestat toca o segundo movimento dessa sonata (que começa aos 11:55 do vídeo linkado acima) em uma hora muito MUITO legal do filme.

MURDER HOUSE

Quem adora terror/suspense/horror levante a mão! o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/

Quem me conhece sabe que atóoooooron histórias de terror. Se tiver um filme de terror e qualquer outra coisa no cinema, me chame pra ver o filme de terror. Mesmo que seja trash, adoro rir tbm! (Mas se tiver um filme do Tom Cruise, me chame pra ver o filme do Tom Cruise.)

Pois bem, a sacanagem é que filme acaba em 2 horas, né? Claro que tem aqueles que vão até o número 20 mil, mas nunca é a mesma coisa… Então o que faltava em nossas vidas? Um seriado de terror. ISSO MESMO!!  Terror contínuo uma vez por semana, por possivelmente muitas temporadas.

 

Oh yes baby, American Horror Story.  Alguns de vocês vão me falar “mas já existem séries de terror/suspense: e Supernatural? E The Walking Dead?”  Pois bem, deixe eu dividir um pouco do que aprendi sobre terror nos últimos tempos…

Stephen King  usa uma técnica MARA e bem simples (e quando você para pra pensar, bem óbvia!) para aumentar o terror: aproximar a história do leitor.  “Como assim tia Deb?” A tia explica: ele insere muitas marcas de produtos do dia-a-dia (marcas americanas, claro, mas enfim) como pastas de dente, refrigerantes, programas de TV, etc. em suas histórias para o leitor identificar: “Hey, eu uso isso!”.  Isso faz com que ele pense: “Hum, esse cara é igual a mim… talvez isso possa acontecer comigo também!”  e aí PUM, fica com medo!!! Além disso, os personagens dele possuem problemas como todos nós. Isso também aumenta a aproximação com o leitor.

Eu ADORO Supernatural e sim, eles são irmãos e brigam, como todo mundo. Mas convenhamos: quem de nós é caçador de demônios??? Como se não bastasse, incubidos da tarefa de salvar o mundo do apocalipse??? Isso daí já mata a questão da aproximação para mim (mas se você é um caçador, obrigada por deixar meu mundo mais seguro). Confesso que nunca vi The Walking Dead… ainda. Mas zumbis?? Really?

American Horror Story é próxima de você. Uma família que quer recomeçar: a mulher teve um aborto espontâneo, estava triste, e o marido transou com a aluna dele (Canalha!). Isso pode acontecer com qualquer um! A mulher decide perdoar e se mudam para o outro lado do país para recomeçar. Compram uma casa linda e baratinha… por quê? Porque dezenas de pessoas morreram ali!  :O

Aí temos vários fantasmas. Cada episódio explica a história de um, no começo. E depois mostram como ele influencia a família que está morando lá agora. Além disso, tem os problemas normais deles. Amante do marido aparecendo, a esposa engravida de novo, não pode ficar estressada para não perder o bebê de novo e por aí vai.

Outra coisa que influi no terror é o que Tzvetan Todorov chama de vacilação.  É quando a pessoa fica entre uma explicação plausível para o ocorrido, ou uma explicação sobrenatural mesmo. Então, vamos aos personagens. Temos o homem borracha:

Oh Noes!

Você (bom, eu) não sabe (sei) se ele é um fantasma mesmo, ou se é um dos vizinhos loucos vestidos para assustar o povo.

Temos também o Tate:

Normal people scare me too! Se alguém achar uma camisa assim pra vender por aí, me mandem uma mensagem. Eu quero.

Ele é paciente do marido canalha (que além de canalha é psicólogo). Mas não vejo ele se relacionando com muita gente… só o médico e a filha dele. Algo nele me faz pensar que ele talvez seja um fantasma também. Não sei explicar.

Aí tem a empregada:

“Mas peraí, são duas empregadas?”  Não, crianças! As mulheres a vêem velha, os homens a vêem jovem.  ~:O

Vou parar por aqui. Se eu falar de tudo que eu tô pensando,vou acabar entregando a série toda. Já acabou a primeira temporada, mas está repetindo na Fox. A segunda começa por volta do Halloween.

American Horror Story passa na Fox, Canal 45 da Sky, Sábados às 01hrs (de madrugada, pra aumentar o medo).