Arquivo da tag: dicas

Por que ler faz bem? #LeiaMais

Ai, sabe aquelas pessoas que falam que não têm tempo para ler? #NãoAguento

Como assim não têm tempo para ler? Nem uma horinha antes de dormir? Vocês acham que quem lê todo dia é desocupado, é isso? (Ha, agora chamei pra briga!)

A questão é a seguinte: ler faz bem! Fato. Não é porque você tinha preguiça de ler os livros que a professora de português mandava que agora você vai continuar com esse trauminha besta, vai? Então vem comigo!

Vou enumerar alguns dos muitos motivos pelos quais ler mais deveria ser receitado por médicos vai melhorar sua vida. Você vai querer arrumar um tempinho para ler todo dia!

Ler ajuda a dormir melhor
Muitos especialistas no assunto recomendam tirar alguns minutos antes de tentar dormir para “desligar”. Chegar do trabalho, tomar banho e pular na cama ainda agitado pela correria do dia a dia não é a melhor opção. Ler por alguns minutos ajuda a acalmar mente e corpo. Fica ligado: a luz do celular e do laptop fazem o corpo achar que está na hora de acordar, portanto… desligue!

Ler melhora seu vocabulário e sua escrita
E, consequentemente, ajuda a escrever melhor. Euzinha aqui não sou um exemplo de domínio da Língua Portuguesa, mas estou melhorando. Juro!

Ler diminui o estresse
Sabe quando a gente precisa esquecer da vida para conseguir descansar? Pois é, pega um livro para ajudar. Você começa lendo em casa e quando vê já está em Hogwarts, na Terra Média, e por aí vai.

Ler ajuda a prevenir doenças
Cientistas afirmam que manter o cérebro sempre estimulado ajuda a prevenir doenças como Mal de Alzheimer. O nosso cérebro é o tipo de máquina que precisa estar sempre trabalhando para continuar funcionando direitinho. Fazer isso enquanto se diverte com um livro é bom demais e é verdade sim!

Ler ajuda a melhorar a memória
A cada nova memória, o cérebro cria novas sinapses, que interligam os neurônios e são responsáveis por transmitir estímulos entre eles. Quando você lê, você precisa lembrar quem é cada personagem e qual seu passado para entender a continuação história. Ou seja, numa linguagem bem tosquinha pra respeitar o estilo do blog, você está forçando seus neurônios a enviarem estímulos uns aos outros para lembrar desses detalhes. E quanto mais você fizer isso, melhores serão esses estímulos. Ou seja, melhor sua memória.

Ler aumenta o conhecimento 
Tudo na vida é aprendizado, ainda mais um bom livro. (Nossa, bem coisa de coach vocacional essa afirmação, né? Mas é verdade.) E conhecimento é uma das poucas coisas que ninguém pode tirar de você.

Resumindo tudo com uma frase-hashtag de efeito para gravar na memória: #LeiaMais

Um Boulevard também é saúde! XD

Foto de Paul Bence sob licença Creative Commons.

ALGUNS TUMBLRS QUE VOCÊ TEM QUE CONHECER

Quem gosta de perder tempo vendo besteira online levanta a mão! Afinal, quem não ama o Tumblr, né?

My parents were awesome

Para quem gosta de moda, eu recomendo visitar o My Parents were awesome (Meus pais eram incríveis). Mas por quê? Lá tem fotos que os visitantes enviam de seus pais quando eram mais jovens, na época em que as garotas faziam permanente e cortavam o cabelo igual ao da Farrah Fawcett em Charlie’s Angels.

Ryan versus puppies

Quem é mais bonitinho: Ryan Gosling ou o filhotinho? É esse o tema do Ryan Gosling versus Puppies. Acho hilário que conseguem achar fotos de cachorrinhos fazendo as mesmas caras do Ryan. Gente!!! Como conseguem? Mesmo quem não é fã/apaixonada/louca-descontrolada pelo Ryan vai curtir. Prometo.

Só mulher compartilha

Frases sarcásticas, maldosas e variantes. Junte a isso, várias frases de amor, frases de efeitos e similares (que todo mundo gostaria de responder atravessado). É o tem no Só mulher compartilha. Acho que, antigamente, esse tumblr costumava ser bem “feminino” mesmo. Mas o humor que tem aparecido lá agora é, digamos, “acessível” para todo mundo.

Lá você encontra coisas do tipo “Procura-se um relacionamento engraçado, porque sério eu tô desistindo”.

Como eu me sinto quando

Um dos meus favoritos é, obviamente, o Como eu me sinto quando. Me reconheço em várias das situações. *vergonha*

Por exemplo: quando vou numa balada, todo mundo está dançando super bem, e eu tenho certeza que estou dançando assim:

DIA DO ESCRITOR É?

Julho é cheio de datas legais, hein? [Descobri agora] Dia do rock, do amigo, do escritor…

Imagina um sujeito que passa meses isolado, escrevendo uma história, tentando parecer original. É mais ou menos isso que eu entendo ser um escritor (é mais ou menos isso que eu sinto quando estou escrevendo). Acho que a mídia e a imaginação das pessoas glamourizou a coisa toda, fazendo parecer que ser escritor é viver como a Carrie Bradshaw: ícone fashion, dinheiro de sobra, festas…

Bom, se o cara tiver sorte, pode chegar a ser assim mesmo. Mas a arte de escrever é muito mais complicada que isso!

Mas eu não vou fazer tutorial aqui. Hoje vou listar coisinhas que acho legais e interessantes sobre livros (eu sei que escritor não escreve só livro, mas ainda assim).

The Heroin Diaries

O livro do baixista do MötleyCrüe, Nikki Sixx, traz o diário que ele escreveu entre 86 e 87 (quando estava viciado e tinha certeza que ia morrer a qualquer momento), junto a comentários e contribuições de pessoas que passaram pela vida dele na época. Acontece que Nikki Sixx sobreviveu ao vício e publicou o livro em 2007. No mesmo ano, com sua outra banda (o Sixx:AM, que além do Nikki tem James Michael e DJ Ashba), ele lançou um álbum conceitual como trilha sonora para o livro.

Tem no Submarino em português e na FNAC em inglês e português (por enquanto indisponível, mas pode cadastrar para ser avisado quando chegar).

Necrópolis

Falando em trilha sonora para livros, o que não é novidade nenhuma mas pouca gente dá atenção, a Isis (contribuidora fantasma daqui do UB) compôs a trilha sonora para o livro do nosso amigo Douglas MCT. Sinceramente, não sei porque os escritores ainda não se tocaram, especialmente os que escrevem para o público jovem.

É claro que não vou generalizar, mas adolescentes adoram fazer lição de casa ouvindo música, não é? E por que esses mesmos adolescentes não ouviriam música enquanto lêem um livro? Uma música dá o clima, cria um cenário… por que os autores de livros não exploram novas formas de criar este cenário para seus leitores?

Se quiser saber mais sobre a série Necrópolis do Douglas (o segundo livro está para sair), entrem no site oficial. A Isis ainda vai escrever sobre o trabalho dela nessa trilha. Aguardem!

Então você quer ser escritor…

Não me lembro onde li/ouvi isso, tenho uma ligeira impressão que foi Picasso quem falou que ser um artista é ser solitário. Para criar algo, você precisa cavar sua mente para talvez, bem lá no fundo, encontrar alguma coisa nova. E fazer isso estando rodeado de gente é praticamente impossível. Para ouvir o interior, a gente precisa eliminar o ruído do exterior.

Além disso, para aprender a escrever, a primeira coisa a fazer é ler. Muito. Ler de tudo. E aprender com o que lê.

E falando em ler de tudo, o site Writer’s Digest tem vários ebooks gratuitos sobre um monte de assuntos interessantes para escritores. Os que eu mais gosto são os que tratam de problemas específicos que os escritores enfrentam e sugerem formas para superar tais problemas. Para baixar, é só cadastrar o e-mail no site.

Uma desvantagem: o site é todo em inglês. E eu não conheço um equivalente escrito em português. Alguém? Fica aí a ideia de novo-site-que-pode-bombar.

ALETORIEDADES SOBRE VIAGENS E UM TUMBLR BEM LEGAL

Ontem eu conheci o It Pobrinha. É um Tumblr da Jana Rosa, Fernanda Tedde e Olivia Rambelli com dicas de viagens “alternativas”. Por “alternativa” entenda “baratinhas”. Achei o máximo! Sabe por quê?

Na minha opinião, viagem é experiência e não aquele combo restaurante chique + compras + banheira de hotel. Para falar a verdade, essa de viajar só pra gastar é muita pobreza de espírito. Parece que a pessoa está querendo esfregar na cara da sociedade o quanto ela é abastada, chique e… it. A propósito, “it” já era! Que ano é esse? Besteira danada. O legal mesmo é aproveitar ao máximo a experiência em si, o aprendizado que a viagem proporciona, as histórias que você vai contar pros amigos depois e de preferência sem gastar muito. Afinal, voltando para casa vai ter um monte de contas para pagar e convenhamos: são poucas as pessoas realmente ricas nesse país. Então, bora viajar sem ilusão, tá?

Com isso, eu resolvi escrever sobre algumas coisinhas que raramente são faladas em posts com dicas de viagem. Geralmente, a gente encontra dicas de lugares para fazer compras (viajar só para fazer compras é muito sacoleira-spirit), atrações turísticas para visitar (que todo mundo já ouviu falar e não tem novidade nenhuma) e restaurantes chiquérrimos (que a maioria dos leitores não vai poder pagar).

Por exemplo, quantos bloggers indicam usar transporte público? E hospedagem em hostel?

Só os mais “alternativos” mesmo… Imagina se todo blogger fizesse um guia tipo esse aqui!

Acabei de lembrar de uma coisa. Uma amiga minha, cujas amigas tem lá seus 40 ou 50 anos e já são financeiramente bem sucedidas, comentou uma vez que essas amigas se recusam a pegar metrô em São Paulo, mas que em Londres acham o máximo da praticidade. Oi? Nem me venha falar que em Londres o metrô é muito melhor porque em cidade grande é sempre lotado, chato, demorado, com gente mal educada, etc. Pode ser mais seguro, organizado, ou ter mais opções de paradas e coisas assim, mas também não é essa coca-cola toda. Só porque está na gringa vai falar que lá é tudo melhor? Já viu como é o metrô no horário de pico em Tóquio?

Hospedagem barata: foi-se o tempo em que hostel era sujo, com gente esquisita ou perigoso. Ainda existem alguns assim (é verdade!), mas muitos já melhoraram e muitos outros foram abertos pensando não só em oferecer preços baixos, mas também conforto. Hostel tem quarto coletivo (4, 5, 10 ou 15 pessoas no mesmo quarto), quarto para casal (um pouquinho mais caro que os quartos coletivos) ou reserva especial para grupos. Um site legal para descobrir hostels pelo Brasil é o da Hosteling International. Vai lá, procura o hostel na cidade que pretende visitar e depois procura no Mochileiros as opiniões de quem já visitou. Assim, você vai com mais segurança, sabendo o que te espera no destino.

Se não quiser ficar em hostel, também existem hotéis baratinhos. Uma coisa que eu faço e funciona é a seguinte: quando eu viajo, quero ficar hospedada num determinado bairro da cidade. Vou no Google Maps, marco um lugar mais ou menos no meio daquele bairro e uso a opção “Nesta área, pesquisar por”. A gente sempre acha vários hotéis por perto e, com o nome de cada um, joga no Google procurando por referências, comentários de hóspedes, reclamações, etc. Foi numa dessas que encontrei o Hotel Koten em Buenos Aires e a Pousada dos Franceses em São Paulo.

Compras: ok, tudo bem, comprar é legal. Se o preço for mais baixo que no Brasil, melhor ainda. Mas faça-me o favor de comprar algo típico para você montar uma “galeria de viagem”. No mais, se quiser comprar roupas ou outras coisas além de souvenires-que-só-se-encontra-em-feiras, tem outlet para tudo que é lado. Uma opção de site para pesquisar outlets no exterior é o Premium Outlets.

No mais, procure sempre por atrativos que te interessem e não o que esta ou aquela pessoa falou. É claro que saber das experiências de outras pessoas é sempre bom, mas cada pessoa é diferente e pode acabar se decepcionando com aquela “atração incrível que fulana amou e recomendou pra todo mundo”.