Arquivo da tag: clássicos

SENHOR DAS MOSCAS (RESENHA)

Senhor das Moscas é um livro representativo de uma época que continuou fazendo sentido décadas depois. Em outras palavras, é um clássico bom bagaray que você tem que ler A-G-O-R-A.

Senhor das moscas - William Golding

O livro é do ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 1983 William Golding. Publicado em 1954, não foi um sucesso absoluto de vendas, mas arrebatou o título muito mais invejável de Clássico ao longo dos anos.

Sobre  o que é:

Um grupo de garotos, sendo levados para longe da guerra, vai parar numa ilha depois da queda do avião. O piloto, e quaisquer outros adultos que poderiam estar presentes, morreram e eles têm de aprender a se virar e sobreviver sozinhos. Mas como gente já é gente mesmo sendo bem novinha, a probabilidade de alguma coisa dar errado é altíssima.

A idade exata dos garotos não é mencionada (há algumas indicações, mas só isso), mas pela narrativa você percebe que ninguém ali tem a menor ideia do que é ser “grande”. Aliás, esse é um detalhe importante na obra: alguns garotos são muito mais novos e são tratados como os “pequenos”. Os protagonistas são os “grandes”, mas não passam de garotos também. Imagina aí o que é um bando de pré-adolescentes sobrevivendo na selva. Sentiu o drama?

Por que é legal:

♥ Poxa, um clássico pós-guerra desse e você não tem interesse em ler?
♥ As interpretações sobre os significados da obra são numerosas, indo do mito do bom selvagem, passando pelo embate entre civilização e barbárie, chegando até a uma alegoria da luta entre o bem e o mal com participação especial de Jesus e do Belzebu em pessoa (Eu vou ser apedrejada por causa desse comentário sim ou com certeza?). Aliás, o título “senhor das moscas” é uma das traduções para o nome Belzebu.
♥ O livro influencia direta e indiretamente várias obras da atualidade. Pense em Lost, a música do Iron Maiden, o clipe do Nine Inch Nails, o sobrevivencialismo em The Walking Dead… mesmo que um criador (escritor, compositor, etc.) afirme nunca ter lido Senhor das Moscas, muito provavelmente ele leu ou viu algo que foi influenciado por ele.
♥ É um livro para qualquer idade. Ou melhor, não é um livro com uma faixa etária determinada. Tanto jovens quanto adultos podem gostar porque a história consegue falar de “assuntos sérios” sob a perspectiva ingênua e infantil.
♥ O livro é bom e pronto e acabou!

Voltando ao enredo:

Ralph e Porquinho são os primeiros a aparecer. A narrativa não é nada pretensiosa, você começa lendo com aquela sensação “hum, ok, eles estão numa ilha” e aos poucos você vai percebendo “epa, aconteceu uma tragédia” e logo depois “putz, agora que a coisa ficou feia”.

Porquinho encontra uma concha na praia e sugere a Ralph que a sopre para tentar atrair outros sobreviventes. E dá certo! Aos poucos os garotos vão aparecendo, saindo da floresta ou vindo de longe pela areia, dentre eles outros protagonistas como Jack e Simon. Os garotos acabam tendo uma reunião para decidir o que fazer. Afinal, eles estão numa ilha desabitada, e agora?

O grupo logo escolhe Ralph para ser o líder. Ele decide explorar a área para ter certeza de que se trata de uma ilha deserta (vai que tem um resort do outro lado!) e logo determina que devem fazer uma fogueira e gerar bastante fumaça para sinalizar e atrair quaisquer navios que estejam passando por perto para que venham resgatá-los. No começo todo mundo obedece mas, com o tempo, fazer a fogueira não é mais tão divertido e até o próprio Ralph se esquece da importância dela.

Cada detalhezinho do livro é cheio de significado e isso exige atenção do leitor que desejar uma experiência plena com a leitura. Como falei ali acima, as interpretações possíveis são muitas. Alguns dos pontos de que mais gostei e que representam isso são: a inteligência de Porquinho e sua relação de mútua dependência com Ralph, a sensibilidade e inteligência emocional de Simon, a força de vontade de Jack, a lealdade cega de Roger e a pureza de Sam e Eric.

Vou parando por aí pois… estou fazendo um esforço enorme para não soltar spoilers! Como é uma obra antiga, quase toda resenha ou artigo sobre ela conta tudo e mais um pouco. Como meu objetivo aqui no blog não é fazer uma análise profunda e sim apresentar livros que gosto, vou ficar só na superfície mesmo e respeitar a sensação de surpresa de quem ainda não leu.

Adaptações ao cinema:

Foram várias e aposto que ainda tem gente querendo fazer mais. As duas mais famosas são a primeira versão de 1963 e a de 1990. Além delas, há um filme Filipino chamado Alkitrang dugo (que conta com garotas dividindo os papéis principais com os garotos) e episódios de séries, curtas e por aí vai.

Onde comprar:

O Submarino tem a edição importada e a Saraiva tem a edição em português (a mesma que eu comprei). Qualquer compra gerada por estes links geram comissão para o blog. Se você não quiser aumentar minha conta bancária, copia e cola o título e nome do autor e joga no Google.

>> senhor das moscas william golding <<

*Ali parceirona*

UMA PLAYLIST DE LEMBRANÇAS

Sabe quando uma música antiga volta na sua cabeça e você não consegue parar de pensar nela até ouvir de novo? Quem acompanha o UB no Face ou no Twitter viu que eu postei essa música aqui na última semana:

Joan Osborne – One of us

Essa música traz uma sensação boa, de uma lembrança que eu não sei muito bem o que é mas que eu gosto. Como uma coisa leva à outra, fui clicando nos vídeos relacionados e acabei desenterrando várias músicas lindas, clássicas e inesquecíveis que eu não ouvia há muito tempo.

The Cranberries – Linger

The Cranberries – Ode to my family

Sixpence None The Richer – Kiss me

Sinéad O’Connor – Nothing compares 2U

No Doubt – Don’t Speak

Natalie Imbruglia – Torn

Bonnie Tyler – It’s A Heartache

REI NUNCA PERDE A MAJESTADE

Então, estou aqui para indicar musiquinha pra vocês!! ÊêêÊÊ!

Mas se você é do tipo que quer saber de coisas novas, obscuras, underground, diferentes, meus posts, dificilmente, serão para você.

Eu sou a pessoa que vai indicar o óbvio. Aquilo que está nas listas de “1000 albuns/músicas que você deve ouvir antes de morrer”. O que tudo mundo sabe (ou deveria saber) que é bom. Muitos de vocês vão ler meus posts e vão pensar “Dãaãã! Quem nunca escutou isso?? Pelamor, né?”. Pois me dói o coração dizer que muita gente nem conhece.

As crianças hoje em dia são expostas a umas coisas, digamos, um tanto duvidosas e acham que aquilo é o que há de melhor no mundo. Pois venho, por meio destes humildes posts, tentar converter um pouco essa situação.

Então, nada melhor do que fazer isso com o álbum mais vendido de todos os tempos ever!  Thriller.

Tan-taaan tan tan tan tan! *Se você já escutou a música, você leu isso no ritmo. HA! *

Thriller é de 1982 e desse moço FODA chamado Michael Jackson. Simplesmente o artista mais fantástico a viver nesse planeta, REI do pop *pontofinal*. O álbum ganhou oito, OITO grammys e oito American Music Awards (na época em que isso ainda significava algo) e já vendeu mais 65 MILHÕES de cópias no mundo todo.

As músicas:

1. Wanna Be Startin’ Somethin’ 6:03
2. Baby Be Mine 4:20
3. The Girl is Mine 3:42
4. Thriller 5:57
5. Beat It 4:18
6. Billie Jean 4:54
7. Human Nature 4:06
8. P.Y.T (Pretty Young Thing) 3:59
9. The Lady in My Life 5:00

Quais você deve pular? NENHUMA!

O CD é bom do começo ao fim sem exceção. É daqueles pra pôr e ficar longe do som. Porque tem uns CDs que você põe e pensa “ai, tenho que ir lá pular a música X e depois a Y”. Esse não.

Não sou nenhuma expert em música pra fazer uma análise detalhada do CD, mas vou falar umas coisinhas de cada música:

Wanna be Startin’ Something é uma musiquinha bem funk (por favor, funk BOM, não é funk proibidão nem similares). Se você escuta Rihanna, o “mama se mama sa mama coo sa” que tem em “Please Don’t Stop The Music” veio daqui, OK?

Baby Be Mine é um pop bonitinho. XD

The Girl is Mine é um dueto com Paul McCartney.  Os dois ficam “brigando” pela mulher amada. É uma balada bem legal.

Thriller é a música que tem o clipe mais FODA de todos os tempos. Tem 15 min, é um curta metragem mesmo, e na época foi revolucionáááário. Já ouvi entrevistas de artistas que disseram que mataram aula no dia que estreou na MTV só para assistirem: não tinha Youtube na época!  Acho que é a coreografia mais conhecida ever.

Tia Deb com seis anos assistindo esse video = não dormiu por umas noites. E depois não podia escutar essa musiquinha porque lembrava e ficava com medo. XD

QUEM mais nesse mundo consegue fazer uma coreografia para zumbis que faz a gente querer dançar junto e não cair na gargalhada?? QUEM?? QUEM?? Isso mesmo, ninguém.

Beat it é um roquizinho muito massa. Também tem um vídeo e coreografia memoráveis. Michael Jackson faz gangues pararem de brigar e se unirem na dança. \o/ Aliás, gravou o clipe com membros de gangues de verdade! Essa música é do MICHAEL JACKSON e NÃO do Fall Out Boy (tenho amigas que pensam o contrário).

Billie Jean tem um dos baixos mais reconhecíveis da face terrestre. Acho que só compete com Under Pressure, do Queen (assunto para post futuro). E o Michael Jackson metido (mentira, ele era um amor) falou que estava de boa, dirigindo lá pela Hollywood Boulevard, se não me engano, e o ritmo do baixo simplesmente veio a ele. Apareceu na cabeça! Nem que eu sentasse e pensasse mil anos eu ia pensar numa coisa tão incrível, mas tão simples ao mesmo tempo!!! Acho que essa é a diferença entre pessoas talentosas e pessoas comuns.

Human Nature também uma baladinha. Momento do show em que Mike dava uma paradinha. E ficava lá, fazendo nada. E TODO MUNDO gritando. Você sabe que a pessoa tem poder quando gritam enquanto ele está parado, na dele.

Ah é, rolava uns beat box também. Isso que é talento. Quando eu for indicar um outro CD, dele você vai ver uma música em que a base TODA é beat box dele… e parece que é um baixo, mas nem é.

P.Y.T é bem funkzinho também. Não consigo ficar parada de jeito nenhum.

The Lady in My Life é a música que ele escreveu pra mim (Mentira!). É uma balada LYNDA, letra magavilhosa e Michael mostra várias faces de sua voz… vai láaaa embaixo e vai lá em cima também. Acho bem legal as “descidas” que ele dá.

Então crianças, espero que vocês curtam o mesmo tanto que eu curto. Qualquer loja que preste tem esse CD à venda e nem está caro. Por volta de 15 reais. Sejam felizes com ele!

Tem o Thriller 25, que comemora os 25 anos do álbum. Tem essas músicas todas normais, e aí tem uma segunda parte com elas modificadas por artistas atuais (Fergie, Will. I. Am, etc). EU não recomendo, mas eu sou muito conservadora quando o assunto é música. Os outros artistas tiveram a permissão e colaboração do MJ nessas versões, então não devem ser tãaao ruins quanto acho…

Até a próxima.