Dracula - Bram Stoker

Dracula: de onde ele veio afinal? (resenha do livro)

Sendo o segundo personagem mais adaptado para o cinema, teatro e televisão (perde apenas para Sherlock Holmes), era de se esperar que, 117 anos depois, as origens de Drácula se tornassem um pouco confusas. Confusas a ponto de algumas pessoas acharem que Drácula é uma figura mitológica e não um personagem de um livro. Pois é… ele não faz parte de nenhum conto folclórico, quero dizer, não exatamente.

Mas não vou falar disso agora, deixa eu tentar explicar. Eu ia escrever apenas um post sobre o assunto, mas tem tanta coisa para falar sobre Drácula que achei melhor dividir. Num futuro post vou falar a obra e o personagem no contexto da literatura vampiresca e cultura pop. Neste aqui vai ter só a resenha do livro.

Dracula - Bram Stoker

Escrito por Bram Stoker, Drácula foi originalmente publicado em 1897 e, apesar de não ter sido um sucesso imediato, se tornou a obra ícone de toda a literatura vampiresca do mundo.

Sobre o que é:

o Conde Drácula convida um jovem advogado, Jonathan Harker, para visitá-lo em seu castelo na Transilvânia e preparar a mediação da compra de algumas propriedades na Inglaterra. O Conde se demonstra um homem polido e culto, muito interessado na cultura inglesa. Coisas estranhas começam a acontecer e Jonathan resolve que precisa fugir, mas o Conde exige que ele fique mais tempo.

Bem, esse é o que considero a primeira parte da história. Ela possui uma reviravolta importante, apresenta novos protagonistas e continua tensa e assustadora até o fim. Pode confiar!

É claro que todo mundo já viu, ouviu ou leu alguma coisa, por menor que seja, sobre o personagem Conde Drácula. Ou viu outras obras com vampiros e já conhece algumas tradições e lendas a respeito. Mesmo assim, vou me limitar a dar apenas essa introdução sobre o livro em si e não estragar totalmente a surpresa.

Uma nota interessante sobre a edição que tenho: ela inclui um capítulo extra chamado “O Convidado de Drácula”, que nada mais é que o Capítulo 1 do manuscrito original que o autor havia excluído, mas que foi adicionado nas edições recentes para a felicidade dos fãs.

Este romance é um pouco diferente dos que eu tenho lido ultimamente. Motivo: a trama é toda contada por meio de cartas, diários pessoais, telegramas, diários de bordo e citações de jornais. Isso deixa a sensação de que a história é real e que estamos lendo os relatos das pessoas que a testemunharam. Você só fica sabendo do que cada personagem consegue descobrir e entender por si mesmo. Não tem um narrador explicando o que realmente está acontecendo. E como é uma história de terror… medão na certa.

Tem hora em que você sabe que tem coisa errada acontecendo, mas o personagem não entendeu ainda e você fica naquela tensão!

Outra coisa legal: como esse livro já foi adaptado tantas vezes (e também modificado, desfigurado, copiado e transplantado), ler a matéria-prima que inspirou tantos trabalhos é uma experiência única. À medida que você lê, vai redescobrindo passagens, lendas e personagens que você já conhecia por outros meios.

Razões para amar:

♥ Se você ama vampiros, tem obrigação de ler Drácula.
♥ Se você odeia vampiros, te desafio a odiar esse livro também! #Duvido
♥ É um clássico da literatura mundial com centenas de adaptações para o cinema, o teatro e a televisão. Vou apenas citar alguns atores que já o interpretaram para dar uma ideia: Bela Lugosi, John Carradine, Christopher Lee, Gary Oldman, Gerard Butler e Luke Evans (no filme previsto para este ano, que parece que vai ser sofrível por combinar a obra original com adaptações anteriores e piorar a confusão que paira sobre o personagem, mas que vou assistir mesmo assim e possivelmente pagar língua). 
♥ É o tipo de livro para ler e automaticamente começar a odiar todas as adaptações. Seus amigos vão te achar super intelectual! hahaha
♥ Deveria ser obrigatório nas escolas!
♥ Drácula versus Van Helsing = luta do milênio (ou melhor, doS milênioS porque o livro é velho assim)
♥ Mistério: Eu fui dormir tarde várias vezes por causa da curiosidade que consumia meu ser e não me deixava parar!
♥ Suspense: Vários momentos de “Mas que diabos vai acontecer?” e “Oh meu Deus, e agora?” garantidos.
♥ Há muitas descrições de lugares reais que vão te deixar com vontade de viajar. Passo Borgo, aí vou eu! Whitby, tô indo também!
♥ Já está em domínio público e você pode baixar legalmente e gratuitamente aqui ou aqui , e o capítulo extra aqui (obs: em inglês).

Para quem não lê inglês, tem tradução para o português, claro!

Do menor ao maior preço: Submarino (R$16,90); Fnac (R$25,90 – edição bilíngue igual à minha); Saraiva (R$30,00); Submarino (R$30,90 – edição bilíngue igual à minha); Saraiva (R$37,00 – edição bilíngue igual à minha);
Dica esperta: o valor do frete pode fazer a diferença no preço final. Não compre o mais barato logo de cara sem conferir todos.

Bônus #BookPorn: Esta edição na Saraiva tem encadernação de luxo. Socorro!

Lembrando que os links geram comissão e quem quiser procurar onde comprar por conta própria, joga no Google “dracula bram stoker”. Só toma cuidado para não comprar uma adaptação ou “versão moderna” por engano! Muitas das milhares de edições existentes não fazem questão de deixar claro que não se tratam da obra original.

hitrecord

UÉ, CADÊ?: O BLOG TÁ MUDANDO

Olás! Esse post é apenas para avisar uma coisinha.

Algumas pessoas devem ter reparado que alguns posts antigos não estão mais disponíveis. Categorias como a de CrônicasDecoração e Citações (entre outras), foram removidas. Vou explicar:

o blog Um Boulevard existe desde 2012 e, com o tempo, eu passei a escrever mais sobre determinados assuntos do que outros. Tendo começado falando de tudo um pouco, eu acabei focando em resenhas de livros e filmes, deixando que outros assuntos aparecessem cada vez mais raramente.

Por causa disso, algumas categorias não recebiam posts novos há mais de um ano, então resolvi mudar algumas coisas. Nas próximas semanas, o blog vai passar por uma atualização no layout, vou limpar o que não faz mais sentido, e tentar melhorar nos assuntos em que o blog está focando atualmente. Algumas dessas mudanças até já começaram.

Daqui pra frente (ou até quando eu mudar de ideia de novo), o blog vai focar mais em livros, filmes, séries e assuntos relacionados a esses temas.

Além do meu interesse pessoal, outra razão me levou a não variar tanto nas categorias aqui no UB. Hoje eu contribuo no blog Amigues e lá escrevo sobre vários assuntos (de Comportamento até Planejamento de Carreira e Estudos, passando por Moda, Bem-estar e Internet) que não são mais abordados aqui. Então, se interessar a alguém, confere lá o Amigues.

Aproveitando o post, eu queria me desculpar com os leitores que começaram a seguir o UB por causa das categorias que acabaram sumindo e agradecer por terem ficado por aí mesmo assim. Se vocês tiverem interesse em algum post antigo que não está mais disponível, entrem em contato comigo pela página de contato, ou mandando um e-mail para blogboulevard@gmail.com, ou ainda mandando mensagem pela página no Facebook. Eu recupero o texto aqui e envio por e-mail.

Abraços!

Como ter uma vida normal sendo louca

COMO TER UMA VIDA NORMAL SENDO LOUCA (RESENHA)

Não sei como andam as vendas desse livro, mas um recorde ele já bateu: o de título mais longo. Depois de uma longa pesquisa (na minha estante), confirmei que Como ter uma vida normal sendo louca: Dicas para lidar com as diversidades e situações do universo feminino não é nada twitter friendly e dificulta as conversas entre amigos que pretendem sugeri-lo como leitura.

Imagina chegar no seu amigo numa mesa de bar e dizer: “Cara, li esse livro Como ter uma vida normal sendo louca: Dicas para lidar com as diversidades e situações do universo feminino…” antes de terminar a frase você já perdeu o fôlego e o fio da meada…

Tudo bem que eu forcei a barra jogando título e subtítulo, mas o livro inteiro é zoado (de um jeito bom), então who cares né? Vamos chamar o livro de CTUVNSL aqui e economizar caracteres. Como ter uma vida normal sendo loucaDe quem é: Jana Rosa e Camila Fremder

O que é:

uma coleção de 30 artigos tratando da vida e desafios diários da mulher de lá pelos 30 anos (um pouco mais ou menos, tanto faz).

Falando assim resumidamente, parece mais um daqueles livros de auto-ajuda chatos bagaray e destinados a pessoas que estão passando por uma baita deprê, mas não tem vergonha na cara para procurar um médico. Porém CTUVNSL não é isso. Imagina um blog com crônicas afiadas e divertidas sobre situações do cotidiano tão absurdas que parecem inventadas: agora sim você está começando a ter ideia de como é esse livro.

Particularmente, eu não gosto de coletâneas de contos e/ou crônicas. Eu sempre tenho a impressão de que não passam de um recauchutamento de algum blog ou coluna que deu certo e o autor resolveu fazer uma graninha. Mas, tem sempre um MAS, eu paguei língua e adorei este livro.

Partindo da pretensão de passar ensinamentos para lidar com cada uma das situações absurdas presentes no cotidiano de uma mulher, as autoras acabam fazendo uma crítica debochada da vida contemporânea. Se a crítica foi proposital eu não sei, mas eu senti uma reflexão aprofundada com pitadas generosas de sarcasmo mesmo nos “ensinamentos” mais ridículos.

Minhas partes favoritas foram as relacionadas ao convívio social. Anti-social como sou, estou considerando seriamente seguir alguns dos ensinamentos… assim, só como teste, sabem? #MentiraVouLevarASério

Convenções sociais, preconceitos, charlatanismo, relacionamentos… e mais um monte de assuntos passam pelas mãos das autoras que apresentam ao leitor técnicas alternativas para lidar com a vida. É o tipo de livro para sugerir para os amigos, ler sozinho e rir litros, e depois conversar com os amigos de novo e darem mais risadas.

Ah, um detalhe importante: o livro (e/ou a divulgação) parece ter sido direcionado ao público feminino, mas eu acho que ele pode agradar aos homens também, ou pelo menos dar a eles uma pista do que as mulheres passam todos os dias para que eles tenham vantagem na hora de se destacar na selva da conquista. #AliPoetisaSQN #DeOndeTireiIsso

Onde comprar:

Tem em um monte de lugar e se você não quiser gerar comissão para o blog, joga no Google, Bondfaro ou Buscapé:

>> “como ter uma vida normal sendo louca” jana rosa  camila fremder <<

Mas se você for legal e quiser contribuir pra poupança desta blogueira (Ahahahaha!), tem na Saraiva (R$12,80); na FNAC (R$12,90); e no Submarino (R$16,90). Atenção: esses links geram comissão para mim, tá?
♥ Dica esperta: dependendo de onde você mora, a diferença do valor do frete pode baratear o valor final da compra.
♥ Dica mais esperta ainda: Quem mora fora do Brasil pode comprar pela Saraiva. ;) #EntregaInternacionalRules

Senhor das moscas - William Golding

SENHOR DAS MOSCAS (RESENHA)

Senhor das Moscas é um livro representativo de uma época que continuou fazendo sentido décadas depois. Em outras palavras, é um clássico bom bagaray que você tem que ler A-G-O-R-A.

Senhor das moscas - William Golding

O livro é do ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 1983 William Golding. Publicado em 1954, não foi um sucesso absoluto de vendas, mas arrebatou o título muito mais invejável de Clássico ao longo dos anos.

Sobre  o que é:

Um grupo de garotos, sendo levados para longe da guerra, vai parar numa ilha depois da queda do avião. O piloto, e quaisquer outros adultos que poderiam estar presentes, morreram e eles têm de aprender a se virar e sobreviver sozinhos. Mas como gente já é gente mesmo sendo bem novinha, a probabilidade de alguma coisa dar errado é altíssima.

A idade exata dos garotos não é mencionada (há algumas indicações, mas só isso), mas pela narrativa você percebe que ninguém ali tem a menor ideia do que é ser “grande”. Aliás, esse é um detalhe importante na obra: alguns garotos são muito mais novos e são tratados como os “pequenos”. Os protagonistas são os “grandes”, mas não passam de garotos também. Imagina aí o que é um bando de pré-adolescentes sobrevivendo na selva. Sentiu o drama?

Por que é legal:

♥ Poxa, um clássico pós-guerra desse e você não tem interesse em ler?
♥ As interpretações sobre os significados da obra são numerosas, indo do mito do bom selvagem, passando pelo embate entre civilização e barbárie, chegando até a uma alegoria da luta entre o bem e o mal com participação especial de Jesus e do Belzebu em pessoa (Eu vou ser apedrejada por causa desse comentário sim ou com certeza?). Aliás, o título “senhor das moscas” é uma das traduções para o nome Belzebu.
♥ O livro influencia direta e indiretamente várias obras da atualidade. Pense em Lost, a música do Iron Maiden, o clipe do Nine Inch Nails, o sobrevivencialismo em The Walking Dead… mesmo que um criador (escritor, compositor, etc.) afirme nunca ter lido Senhor das Moscas, muito provavelmente ele leu ou viu algo que foi influenciado por ele.
♥ É um livro para qualquer idade. Ou melhor, não é um livro com uma faixa etária determinada. Tanto jovens quanto adultos podem gostar porque a história consegue falar de “assuntos sérios” sob a perspectiva ingênua e infantil.
♥ O livro é bom e pronto e acabou!

Voltando ao enredo:

Ralph e Porquinho são os primeiros a aparecer. A narrativa não é nada pretensiosa, você começa lendo com aquela sensação “hum, ok, eles estão numa ilha” e aos poucos você vai percebendo “epa, aconteceu uma tragédia” e logo depois “putz, agora que a coisa ficou feia”.

Porquinho encontra uma concha na praia e sugere a Ralph que a sopre para tentar atrair outros sobreviventes. E dá certo! Aos poucos os garotos vão aparecendo, saindo da floresta ou vindo de longe pela areia, dentre eles outros protagonistas como Jack e Simon. Os garotos acabam tendo uma reunião para decidir o que fazer. Afinal, eles estão numa ilha desabitada, e agora?

O grupo logo escolhe Ralph para ser o líder. Ele decide explorar a área para ter certeza de que se trata de uma ilha deserta (vai que tem um resort do outro lado!) e logo determina que devem fazer uma fogueira e gerar bastante fumaça para sinalizar e atrair quaisquer navios que estejam passando por perto para que venham resgatá-los. No começo todo mundo obedece mas, com o tempo, fazer a fogueira não é mais tão divertido e até o próprio Ralph se esquece da importância dela.

Cada detalhezinho do livro é cheio de significado e isso exige atenção do leitor que desejar uma experiência plena com a leitura. Como falei ali acima, as interpretações possíveis são muitas. Alguns dos pontos de que mais gostei e que representam isso são: a inteligência de Porquinho e sua relação de mútua dependência com Ralph, a sensibilidade e inteligência emocional de Simon, a força de vontade de Jack, a lealdade cega de Roger e a pureza de Sam e Eric.

Vou parando por aí pois… estou fazendo um esforço enorme para não soltar spoilers! Como é uma obra antiga, quase toda resenha ou artigo sobre ela conta tudo e mais um pouco. Como meu objetivo aqui no blog não é fazer uma análise profunda e sim apresentar livros que gosto, vou ficar só na superfície mesmo e respeitar a sensação de surpresa de quem ainda não leu.

Adaptações ao cinema:

Foram várias e aposto que ainda tem gente querendo fazer mais. As duas mais famosas são a primeira versão de 1963 e a de 1990. Além delas, há um filme Filipino chamado Alkitrang dugo (que conta com garotas dividindo os papéis principais com os garotos) e episódios de séries, curtas e por aí vai.

Onde comprar:

O Submarino tem a edição importada e a Saraiva tem a edição em português (a mesma que eu comprei). Qualquer compra gerada por estes links geram comissão para o blog. Se você não quiser aumentar minha conta bancária, copia e cola o título e nome do autor e joga no Google.

>> senhor das moscas william golding <<

*Ali parceirona*

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 737 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: